Chocólatras Online

um blog para quem adora chocolate
4

Academy of Chocolate Awards 2018: brasileiros premiados!

É muito legal ver cada vez mais chocolates brasileiros sendo reconhecidos em campeonatos internacionais. Oito marcas brasileiras foram premiadas na edição de 2018 do Academy of Chocolate Awards, de Londres, com 18 chocolates, mais 1 prêmio por embalagem. O resultado foi divulgado dia 11/5/18.

Os prêmios são divididos em 5 categorias (em negrito as categorias onde tem brasileiros):

  • Barras (divididas em 8 sub-categorias)
  • Chocolates de beber (divididos em 3 sub-categorias)
  • Chocolates recheados (divididos em 9 sub-categorias)
  • Spreads (divididos em 3 sub-categorias)
  • Embalagens (divididas em 2 sub-categorias)

Os chocolates brasileiros e seus respectivos prêmios são os seguintes:

Ouro

  • Three Theos -Cacao+Bicolor+Cupuaçu da Mission Chocolate – Barras escuras com outros sabores (Bars – Flavoured Dark Chocolate Bar)
  • Mission Chocolate – Embalagem (Packaging)
  • Wild Cocoa 70% Rio Acará da Luisa Abram Chocolates – Barras bean to bar abaixo de 80% de cacau (Bars – Bean to Bar under 80% cocoa solids)

Prata

  • Mestiço 62% Café (Coffee) da Mestiço Chocolates – Barras escuras com outros sabores (Bars – Flavoured Dark Chocolate Bar)
  • 70% Trinitário Blend da Baianí Chocolates – Barras Tree to bar

Bronze

  • Bombom de Jabuticaba da Gallette Chocolates – Chocolates recheados com ganache (Filled Chocolates – Fruit, Floral, Spice or Infusion Ganache)
  • Theobroma Bicolor Dragees da Mission Chocolate – Chocolates recheados (Filled Chocolates – Other Bonbon)
  • Wild Cocoa 81% Rio Purus da Luisa Abram Chocolates – Barras bean to bar 80% de cacau ou mais (Bars – Bean to Bar under 80% cocoa solids)
  • Wild Cocoa 70% Rio Purus da Luisa Abram Chocolates – Barras bean to bar abaixo de 80% de cacau (Bars – Bean to Bar under 80% cocoa solids)
  • 72% Puerto Rico -The Last Harvest daMission Chocolat – Barras bean to bar abaixo de 80% de cacau (Bars – Bean to Bar under 80% cocoa solids)
  • 70% Trinitário Blend with orange zest inclusion da Baianí Chocolates – Barras escuras com outros sabores (Bars – Flavoured Dark Chocolate Bar)
  • Mendoá Classic – 60% Cocoa with Ginger da Mendoá Chocolate – Barras escuras com outros sabores (Bars – Flavoured Dark Chocolate Bar)
  • Vila Chocolat Licuri & Rapadura Crunchy Caramel 75%  da Vila Chocolat – Barras escuras com outros sabores (Bars – Flavoured Dark Chocolate Bar)
  • Bean to Bar Pratigi 45% da Chocolat du Jour – Barras Tree to bar
  • Organic Chocolate 60% da Chocolat du Jour – Barras Tree to bar
  • Passion Fruit Dark Chocolate Disc da Chocolate du Jour – Chocolates recheados -Outros caramelos (Filled Chocolates – Other Caramels)
  • Mestiço Tree to Bar 35% White Chocolate da Mestiço Chocolates  – Barras Tree to bar
  • Mestiço 75% Trinitário Varietal da Mestiço Chocolates  – Barras Tree to bar
  • Mestiço 81% Catongo White Forastero da Mestiço Chocolates  – Barras Tree to bar

Para resumir, as 8 marcas premiadas são :

Vou citar 3 detalhes mais técnicos que entendo que não vão interessar a todos os leitores:

  • A Academy of Chocolate define Tree to Bar como “chocolate feito no mesmo país ou ilha onde o cacau é cultivado” (conforme na foto abaixo). A maioria do mercado entende como Tree to Bar aquele fabricante que tem a fazenda, que cultiva, fermenta, seca o cacau e depois transforma os grãos em chocolate. Não basta apenas estar no mesmo país, tem que ter a fazenda e processar o cacau. Então, a Chocolat du Jour entrou na lista de Tree to Bar, pois ela usa cacau da Bahia. Como a marca ou seus donos não são donos da fazenda, a maioria do mercado (inclusive eu) a classificaria como bean to bar. Detalhe: só a linha Pratigi dela é bean to bar, as demais linhas de produtos não.
  • As categorias são separadas em Tree to Bar (na definição da maioria do mercado, chocolates feitos por quem também cultiva o cacau que é usado no seu chocolate), Bean to Bar (chocolates feitos diretamente a partir dos grãos de cacau) e simplesmente Bar (que podem ou não ter sido feitas a partir do derretimento de outro chocolate). Dois exemplos de Bars são a barra com rapadura da Vila Chocolat que usou como ingrediente o chocolate da Mestiço, ou seja não é mesmo bean to bar, e a barra com laranja da Baianí que é Tree to Bar e também Bean to Bar, mas acabou na categoria Bars por ter a inclusão da laranja.
  • Chocolate bean to bar branco é ainda uma raridade, mas já tem sua própria categoria. Para você ter uma ideia, nas 2 categorias de chocolates bean to bar amargos puros, foram premiados 191 barras, enquanto na categoria de brancos bean to bar, apenas 4. A raridade existe porque o chocolate branco é feito apenas de manteiga de cacau e para extrai-la dos grãos é necessário equipamento especial e habilidade. A maioria dos makers no mundo ainda não faz essa etapa, mas alguns chocolate makers brasileiros já o fazem. Repare que a Mestiço foi premiada com bronze por seu Chocolate Branco 35%.

Vale lembrar que toda premiação só compara os chocolates que foram inscritos na competição. Isso quer dizer que, além destes, existem muitos outros chocolates maravilhosos no mundo, que não aparecem aqui simplesmente porque não se inscreveram.

Nesta edição, foram premiados 750 chocolates do mundo todo. Só na categoria Bars foram 483 e na de Recheados (bombons e trufas) foram 202! Clique aqui para ver a lista completa.

 

 

 

Para receber dicas do mundo dos chocolates, assine a NEWSLETTER CHOCÓLATRAS ONLINE!

Deixe seu comentário

Seu email não será publicado.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.