Sabia que alguns produtos que nós chamamos de chocolates não são tecnicamente chocolates? Pois é! E existem 2 momentos na vida da gente que em que é importante saber essa diferença.

O que tecnicamente é chocolate

Para ser chamado de Chocolate no Brasil, o produto precisa ter pelo menos 25% de derivados de cacau na formulação, seja em forma de massa de cacau, manteiga de cacau, cacau em pó, etc ou a soma deles. No caso do chocolate branco, ele precisa ter no mínimo 20% de manteiga de cacau.

Ou seja, se o produto tiver pouco cacau, não é chocolate, é um doce ou uma guloseima.

A legislação que regulamenta isso é a ANVISA RDC 264/2005 (vigente na data de publicação deste post).

Então pensa comigo: quanto cacau tem o doce que tem apenas a cobertura de chocolate, um bombom por exemplo? Possivelmente menos de 25%, portanto não é de fato chocolate. E se você for reparar nas embalagens, muitos produtos que nós chamamos de chocolate, lá tem a descrição correta. Por exemplo: bombom de coco coberto com chocolate e wafer coberto com chocolate.

Veja os mesmos chocolates agora abertos. São chocolates ou não são?

Como saber se um produto é chocolate

Nem todo chocolate traz na embalagem o teor de cacau. Então como você vai saber se ele é mesmo chocolate? Leia a lista de ingredientes! A lista está sempre em ordem de quantidade, ou seja o ingrediente presente em maior quantidade está no começo da lista e o que tem menor quantidade está no final. Veja onde estão os derivados de cacau. O ideal é que estejam o mais próximo do começo, de preferência em primeiro lugar.

Quando é importante saber se um produto é mesmo chocolate?

Primeiro, quando seu nutricionista falar que você pode comer um chocolatinho por dia. Nutricionistas falam isso considerando que o chocolate que você vai comer tem cacau, que é fonte de diversos nutrientes importantes. Doces não contém esses nutrientes.

Segundo, quando for olhar o preço. Chocolate de verdade é mais caro do que doce porque chocolate tem cacau. E cacau tem que ser plantado e colhido por pessoas, que merecem salários justos. A colheita do cacau não pode ser automatizada, ela é manual. Doces são feitos por máquinas. Então, em geral, chocolates são mesmo mais caros que doces.

Aliás, quanto melhor o cacau e mais saboroso, mais valorizado e caro vai ser o chocolate. Sabia que as duas primeiras etapas que garantem um bom sabor no chocolate (fermentação e secagem do cacau) são feitas ainda nas fazendas? Então não tem como chocolate bom custar muito barato. Se custar, o produtor de cacau deve estar sendo explorado e isso não é justo.

Não precisamos ser choco-chatos!

Nem tudo que chamamos de chocolate é chocolate de fato, mas nos habituamos com isso e tudo bem. Provavelmente vamos continuar falando assim e não acho necessário fazermos uma polêmica sobre isso. Com o tempo e com a conscientização dos consumidores talvez esse jeito de falar mude. No contexto atual, em que queremos entender melhor sobre o que consumimos e como são tratadas as pessoas na cadeia produtiva, acho interessante saber diferenciar as guloseimas e os chocolates de verdade para dar o real valor a cada um deles.

Assine a Newsletter e receba em seu email novidades sobre chocolates!